O Descentramentos dos sujeitos: notas sobre a contribuição de Gayle Roubin para o debate sobre feminismo, gênero e sexo

Beatriz Patriota Pereira, José Ricardo Marques dos Santos, Cauê Flores Gomes

Resumo


O contexto dos “descentramentos”

O “mundo ocidental”, enquanto forma de organização política específica e de representação, é um produto de um longo processo de formação ocorrido naquele continente. Seu desenvolvimento se coloca como uma realidade desde o século XVI e XVII. Este fenômemo enquanto uma forma de realida histórica e política tem sido investigado e apreendido por diversos autores, sendo Eric Hobsbawn (1990; 2010) um destes.
Não obstante, os fenômenos correlatos a este processo e sua influência sobre as realidades fora da própria Europa também não escaparam ao olhar do autor. Principalmente uma série de trasformações ligadas a ideologias produzidas pelo período, que colocaram desafios ao pensamento histórico. O nacionalismo surge como uma forma de política (transnacional?) a partir da revolução francesa, adentrando o século XIX e impondo condições específicas tanto as relações sociais e culturais das realidades com que se confronta quanto para as colônias (Hobsbawn, 1990). Dentre os desafios apresentados é a construção de identidades nacionais que inventavam seu passado histórico, sua continuidade histórica e instituições com o objetivo de erigir esse passado antigo (Hobsbawn, 1997: 15). neste sentido, as identidades nacionais se cosntróem como unitárias e simbolizam a coezão dos grupos

Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2358-2588